O mecanismo da visão apresenta sempre um aspecto fundamental comum – o processo inicia-se com a luz penetrando em uma “câmara escura” localizada no interior do olho, e para lá levando as informações que serão decodificadas para finalmente serem interpretadas como imagens da realidade externa. Embora a decodificação e a interpretação sejam bastante complexas, o mecanismo físico da visão é extremamente simples, podendo ser descrito mediante as leis da Óptica Geométrica e da Óptica Física. Entretanto, o olho, como máquina fotográfica – ou numa linguagem mais atual, como câmara de televisão – constitui um mecanismo extremamente complexo, com ajustes finos e controles diversos que garantem a formação de uma imagem perfeita no fundo da câmara escura localizada no seu interior. A figura apresentada abaixo como ilustração das partes componentes do olho humano pode ser útil para acompanhar as considerações que serão feitas a seguir sobre o funcionamento do olho como câmara fotográfica (ou cinematográfica, ou televisiva).