Evidentemente, se temos um relato sobre o “dia longo” no Livro de Josué, caracterizando um extraordinário fenômeno astronômico (que deveria ter sido presenciado em escala global, e não somente local), era de se esperar que houvesse outros relatos congêneres em outras partes do mundo. Considerando-se o fato de que, enquanto em uma face da Terra se tem dia claro, na face oposta se tem noite, era de se esperar também que, dentre os relatos congêneres, houvesse menção pelo menos a uma noite prolongada, nas longitudes diametralmente opostas.

E para ilustrar, a revista The Biblical Astronomer apresenta um mapa-mundi com a indicação dos locais onde existem tradições a respeito. No mapa é indicada a área da superfície terrestre em que se tem dia claro, bem como a em que se tem noite, tendo-se como referência meados do mês de maio, e o horário de 9 horas em Jerusalém. Os locais em que se conhecem tradições sobre um dia longo são indicados no mapa com círculos em branco. Semelhantemente, os locais em que se conhecem tradições sobre uma noite longa, são indicados com círculos escuros. E ainda, para completar o panorama global, um círculo metade branco e metade escuro indica o local em que se conhece tradição de um prolongado pôr-de-Sol.