Em função de numerosas cartas que temos recebido consultando-nos sobre o assunto do famoso “dia longo” mencionado no Livro de Josué, e tendo-nos chegado às mãos o número 89 do volume 9, da revista “The Biblical Astronomer”, de 1999, com um interessante apanhado sobre a questão, é com prazer que transcrevemos a seguir partes do referido artigo, esperando que seja bastante útil para nossos leitores.

De tempos em tempos têm aparecido artigos no The Biblical Astronomer, e no seu antecessor, Bulletin of the Tychonian Society, descrevendo o fenômeno comumente conhecido como “o dia longo de Josué”. O relato bíblico encontra-se no capítulo 10 do Livro de Josué. Um capítulo inteiro é também dedicado a todos os aspectos do dia longo de Josué no livro Geocentricity, sendo ali de fato o mais longo capítulo do livro. Um dos aspectos abordados nesse livro (cujos exemplares podem ser encomendados a Brian V. Lamb, no endereço Quarryside, Castletown, Caithness, Scotland, KW 14 8SS) envolve os relatos de que o “dia longo” foi comprovado ou por computadores modernos, ou por calendários de povos antigos.

No fim da década de 1970, e princípios de 1980, duas histórias foram divulgadas versando sobre a descoberta de um dia que faltava, feita por um computador. A primeira foi contada por Harold Hill, em seu livro How to Live Like a King´s Kid. (1) Nas próprias palavras de Hill:

Este relato sobre a descoberta do “dia perdido” continua a ser divulgado nos meios evangélicos, apesar de ser inteiramente infundado! Além de não ser defensável utilizar falsidades para “comprovar” a Bíblia, histórias como esta elevam a ciência moderna a patamares de precisão incompatíveis com a própria realidade Os computadores não são capazes de “comprovar cientificamente” eventos como este citados no Velho Testamento, e nem as revelações da Bíblia necessitam de comprovação científica!