James Clerk Maxwell (1831 – 1879) teve vida curta mas singularmente produtiva. Um dos maiores cientistas de todos os tempos, ele era também um sincero cristão que cria na Bíblia. Partindo dos conceitos e do trabalho experimental de seu amigo Faraday, ele desenvolveu uma estrutura matemática teórica abrangente da teoria dos campos eletromagnéticos, envolvendo todos os tipos de sistemas de energia (exceto as forças nucleares e gravitacionais) em seu famoso “espectro das ondulações eletromagnéticas”.

Albert Einstein considerou o trabalho de Maxwell “o mais profundo e frutífero que a Física experimentou desde a época de Newton”. Ele também estendeu a Termodinâmica Clássica ao campo mais amplo da Termodinâmica Estatística, e fez numerosas outras contribuições notáveis no campo da Física e da Matemática.

Sua fé cristã era essencialmente “fundamentalista”. Ele foi um forte opositor à evolução, capaz de desenvolver uma refutação matemática rigorosa da famosa “hipótese nebular” do ateísta francês Simon de LaPlace. Ele escreveu também uma incisiva refutação das filosofias evolucionistas de Herbert Spencer, grande propugnador do darwinismo.

Uma oração de seu próprio punho encontrada após a sua morte citava o relato de Gênesis da criação do homem à imagem de Deus e a ordem de dominar a Terra como sendo a motivação para os seus estudos científicos, e ao mesmo tempo declarando a sua fé pessoal em Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Ele foi um diligente estudante das Escrituras, e deixou um claro testemunho cristão em sua vida.

(Leia todo o artigo na Revista Criacionista)